fabio logo

O fagote é tradicionalmente um instrumento de orquestra. Contudo, alguns fagotistas são vistos com alguma frequência atuando como solistas. Entre os brasileiros, certamente, Fábio Cury se destaca como um dos mais atuantes.

A inclinação para essa atividade, se não nasceu em seu período de estudos na classe de solistas da Escola Superior de Teatro e Música de Hannover, foi indubitavelmente estimulada pela convivência com o Prof. Klaus Thunemann, um dos mais conhecidos solistas de fagote de todos os tempos, com quem estudou de 1992 a 1994. Foi nesse período, em 93, que venceu o Concurso para Fagotistas da Escola Superior de Teatro e Música de Hannover.

Todavia, ainda antes de ter residido na Alemanha, na condição de bolsista do DAAD, ou mesmo de ter concluído o seu Bacharelado na UNICAMP, sob a orientação do Prof. Paulo Justi, Fábio, que iniciou os estudos de fagote aos 11 anos, já havia atuado como solista da OSESP, da Orquestra Experimental de Repertório, da Orquestra Sinfônica de Campinas e da Orquestra Sinfônica da UNICAMP entre outras, tendo vencido vários dos Concursos para Jovens Solistas dessas instituições. De volta ao Brasil, em 95, obteve ainda o 3º. lugar no Prêmio Eldorado de Música.

A atuação de Fábio Cury tem sido marcada, acima de tudo, pelo ecletismo. Vai da música orquestral à atividade acadêmica; da performance com instrumentos de época à música contemporânea. Tem colaborado, como convidado ou de forma regular, como fagotista solista das principais orquestras brasileiras, tais como a OSESP, a OSB, a Filarmônica de Minas Gerais e a Orquestra Municipal de São Paulo, grupo em que exerce atualmente a função de fagotista solista. Recebeu o título de Mestre em Artes pela UNICAMP e o de Doutor em Música pela USP, instituição em que leciona desde 2002.

É membro fundador da Camerata Aberta, grupo totalmente dedicado ao repertório de nossos dias, com o qual recebeu o Prêmio APCA de melhor ensemble de música contemporânea, em 2010, e o Prêmio Bravo de melhor CD de música erudita, em 2011.

Sua produção fonográfica inclui registros de música de câmara para os selos Paulus, Brasil Meta Cultura, Lindoro (Espanha), Meridian (Inglaterra) e Selo SESC. Seu CD Velhas e novas cirandas: música brasileira para fagote e orquestra, lançado pelo selo Clássicos, recebeu o prêmio APCA de melhor disco de 2010. Da parceria com o cravista Alessandro Santoro resultou, em 2013, o álbum duplo Fábio Cury e Alessandro Santoro interpretam Bach, seu primeiro registro com um fagote de época. Em 2014, lançou Mignone por Fábio Cury: 16 valsas para fagote solo, pelo Selo SESC, gravação que figurou entre os três finalistas do Prêmio Revista Concerto, na categoria melhor livro, CD e DVD.

Sua atividade multifacetada e a especial atenção que concede à música brasileira credenciaram-no como presença marcante não só em praticamente todos os festivais de música, séries de música de câmara como também à frente das mais prestigiosas orquestras brasileiras. Da mesma forma, já atuou como intérprete, professor e palestrante em eventos na Argentina, Panamá, Estados Unidos, Canadá, Bélgica, Eslovênia, Inglaterra, França, Portugal e China, entre outros países.

 

Fábio Cury é um artista Püchner e toca com o fagote modelo superior.








DISCOGRAFIA

16 VALSAS PARA FAGOTE SOLO Mignone por Fábio Cury

DUO FABIO CURY E ALESSANDRO SANTORO INTERPRETAM BACH

OPUS BRASIL ENSEMBLE Interpreta Villa-Lobos, Mehmari Françaix

TANGOS E CHOROS Flute music from Argentina e Brazil

VELHAS E NOVAS CIRANDAS Música brasileira para fagote e orquestra



fotos

downloads

Videos

Fábio Cury | Bastidores do CD 16 Valsas para Fagote Solo | Selo Sesc

Fábio Cury e Alessandro Santoro interpretam Bach - Making Of

O QUE É?! | Fagote | Fábio Cury | Selo Sesc

Villa-Lobos, Trio madeiras III

OFERENDA MUSICAL 2010 -6-

Martinu Madrigaux

Fábio Cury plays Villa-Lobos

Aula1

Aula 2

Aula 3

Aula 4

Fábio Cury interpreta Jogo dos Espelhos Mutantes de Matheus Bitondi, na Sala Cecília Meireles, no Rio de Janeiro

Réplicas para Clarinete e Fagote, de Ronaldo Miranda, estreia da obra na Sala Cecília Meireles, no Rio de Janeiro




Agenda

Imprensa

Folha de S. Paulo - Ilustrissima - Mignone- 08/02/15

Revista Concerto - Janeiro/2015

Critica zero hora - 20/12/2014

Revista Concerto - Mignone - 12/12/2014

Guia da Folha - 22/02/2014

Folha de Sao Paulo - 12/02/2014

O Estado de Minas - 17/01/2014

Revista Veja - 15/01/2014

Estadão - 25/12/2013

Revista Brasileira de Música - 01/10/2010

Estadão - 06/05/2010

Folha de São Paulo - 21/04/2010

Prêmio APCA - 2010

Estadão - 23/07/2008

Folha de São Paulo - Ilustrada

Folha de São Paulo - 26/06/2001

Folha de São Paulo - 06/07/1999

Classic CD - Novembro/1997